Autorresponsabilidade: Você pratica?

Autorresponsabilidade: Você pratica?

Você sabe o que é autor­res­pon­sa­bi­li­da­de?

Segun­do Pau­lo Viei­ra – e com­par­ti­lho pia­men­te de sua opi­nião – “é a cren­ça de que você é o úni­co res­pon­sá­vel pela vida que tem leva­do e sen­do assim, é o úni­co que pode mudá-la”, ou seja, você é exclu­si­va­men­te senhor dos seus atos e das con­sequên­ci­as gera­das por eles.

Na minha crô­ni­ca de hoje, que­ro tra­zer pra vocês um fato onde fica mui­to cla­ro quan­do a pes­soa trans­fe­re para o outro uma res­pon­sa­bi­li­da­de que é só sua, então vamos ao caso:

Jun­to com meu mari­do, tenho uma Agên­cia de Comu­ni­ca­ção e Mar­ke­ting.

Fecha­mos em julho um con­tra­to de cri­a­ção de site. Para a exe­cu­ção do refe­ri­do tra­ba­lho, é pre­ci­so que a cli­en­te envie fotos e as infor­ma­ções que serão inse­ri­das.

Cou­be a nós, a cri­a­ção de 4 tex­tos para o Blog do site. Fize­mos três, res­tan­do ape­nas um a con­cluir.

Acon­te­ce, que após inú­me­ros con­ta­tos soli­ci­tan­do o mate­ri­al, e sem res­pos­ta, deci­di­mos esta sema­na, fazer o layout com fotos de ban­co de ima­gens.

A infor­ma­mos que o site esta­va no ar e que ela deve­ria veri­fi­car o layout para depois subs­ti­tuir­mos pelas fotos do seu tra­ba­lho.

O fato curi­o­so é que esta sema­na o ter­cei­ro che­que refe­ren­te ao paga­men­to do ser­vi­ço vol­tou sem fun­dos e hoje ela envia um áudio – infe­liz­men­te as pes­so­as per­de­ram o hábi­to de falar ao tele­fo­ne – ques­ti­o­nan­do que só colo­ca­mos o site no ar por­que seu che­que vol­tou e nos res­pon­sa­bi­li­zou pela demo­ra em ficar pron­to e que seu sócio está des­mo­ti­va­do por cau­sa do atra­so.

Deta­lhe: no áudio só cons­ta a recla­ma­ção e em nenhum momen­to ela fala se revi­sou o site e as maté­ri­as.

Aí eu per­gun­to: como se colo­ca um site no ar com fotos fakes, sem mate­ri­al nenhum da cli­en­te?

Ficou cla­ro que ela quis trans­fe­rir para nós a res­pon­sa­bi­li­da­de pelo site não estar pron­to, e quem sabe até mes­mo jus­ti­fi­car o che­que sem fun­dos.

O fato é que, enquan­to as pes­so­as não se autor­res­pon­sa­bi­li­za­rem pelas suas ações ou fal­ta delas, con­ti­nu­a­rão a impu­tar nos outros os seus fra­cas­sos.

Pou­cos são os que reco­nhe­cem suas falhas e erros. Acham que é mais fácil se com­por­tar e pen­sar assim:

– “Meu site não está pron­to por­que não pri­o­ri­zei e sepa­rei um tem­po do meu dia para sele­ci­o­nar as fotos que serão inse­ri­das e envi­ar para a Agên­cia.”

– “Não dei a devi­da impor­tân­cia a cri­a­ção do meu site e por isso ele ain­da não está no ar.”

– “Inde­pen­den­te do site ain­da não estar pron­to, tenho que me pre­o­cu­par em hon­rar o paga­men­to, pois a Agên­cia está fazen­do a par­te dela, ou seja, me cobran­do o envio do mate­ri­al e fazen­do as maté­ri­as que foram com­bi­na­das.”

Pare de dar des­cul­pas como se fos­sem expli­ca­ções e assu­ma sua autor­res­pon­sa­bi­li­da­de.

Para isso acon­te­cer, você pre­ci­sa agir, mudan­do suas pala­vras, com­por­ta­men­tos e pen­sa­men­tos.

As pes­so­as que con­quis­tam o que que­rem, não cul­pam as cir­cuns­tân­ci­as, as outras pes­so­as e o des­ti­no, ao con­trá­rio, assu­mem a res­pon­sa­bi­li­da­de pelos pos­sí­veis resul­ta­dos nega­ti­vos e ain­da se per­gun­tam: “o que devo fazer de dife­ren­te para que da pró­xi­ma vez eu obte­nha resul­ta­dos melho­res e mais satis­fa­tó­ri­os?”

Fica a dica para refle­xão e até a próxima.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Deixe uma resposta